quarta-feira, novembro 30, 2005

Sócrates, o Príncipe!

Se dúvidas ainda existissem sobre a maquiavélica escolha de Mário Soares como candidato presidencial apoiado pelo PS, por parte de José Sócrates, elas são aqui completamente desfeitas por um indefectível cavaquista: Vasco Graça Moura. Que, obviamente, aplaude o primeiro-ministro. Vejamos…

Começa por afirmar que "Sócrates percebeu finalmente que precisava de um Presidente da República com um perfil muito especial", "disponível para cooperar activamente com o Governo", referindo-se, naturalmente, a Cavaco Silva.

Prossegue depois dizendo que "se tivesse optado por Manuel Alegre, (Sócrates) não poderia ter com ele uma coabitação pacífica ou fecunda". (Pacífica não seria, seguramente, já que a governação de Sócrates tem sido tudo menos… pacífica!).

E conclui referindo que "restava pois Mário Soares como opção residual e inofensiva (...), porque Sócrates sabia à partida tratar-se de um candidato já sem condições para ser eleito". "Soares está condenado a perder. E essa derrota convém deveras ao primeiro-ministro", que no seu íntimo, embora não o possa admitir publicamente, "conta com a cooperação isenta e competente de Cavaco Silva na chefia do Estado".

Sócrates até "poderá imputar a Alegre uma parte das razões do insucesso de Soares e sair do caso sem uma beliscadura".

"Brilhante"! Para José Sócrates, versão contemporânea d' O Príncipe, de Nicolau Maquiavel, na política "os fins justificam os meios", que é como quem diz, vale tudo!…

Só espero que o tiro lhe saia pela culatra e venhamos a ter um poeta na presidência!…

3 comentários:

  1. Pois já tinha constatado essa teoria, que para estar completa, inclui também o saneamento de Manuel Alegre (opositor na corrida à liderança do PS) por via de derrota eleitoral. Ai sim, o cenário montado por Socrates fica completo.
    Não esquecendo que já ficaram pelo caminho, no fogo autárquico, o soares Jr., o Carrilho, o Assis...

    ResponderEliminar
  2. Excellent, love it! » »

    ResponderEliminar