quinta-feira, novembro 03, 2005

A "independência" de Cavaco

O carácter “suprapartidário” e “independente” da candidatura de Cavaco Silva está bem demonstrado na composição “diversificada” e “plural” da sua Comissão Política, como aqui se pode verificar.

3 comentários:

  1. Independente não implica necessáriamente uma equipa que não seja maioritariamente do partido do candidato. Independente pode ser vista no sentido de ser o candidato a definir a comissão política e não partido.

    ResponderEliminar
  2. Caro Humberto, admitindo que tenha sido "o candidato a definir a comissão política e não o partido", não é demasiada "coincidência" ter "escolhido" personalidades do "seu" partido, quase exclusivamente?
    Há portanto uma clara identificação da candidatura de Cavaco com a Direita em geral e o PSD em particular, por mais bandeiras portuguesas que ele use como pano de fundo.
    E já agora, acrescento que a imensa maioria da sua Comissão de Honra é gente da alta finança e dos negócios, gestores, economistas, o que não acontece com Soares e Alegre, cujas Comissões integram também muitas personalidades do mundo da Arte, da Cultura e da Ciência. Claro que Cavaco é um tecnocrata (que tem pudor de reconhecer que é político — parece até que não foi primeiro ministro durante dez anos!), e a sua cultura sempre deixou muito a desejar…

    ResponderEliminar