segunda-feira, dezembro 11, 2006

Morreu o carniceiro

Morreu o carniceiro responsável pelo assassínio de mais de 2 000 pessoas, o desaparecimento de mais de mil e a tortura de mais de 20 000!


Que a terra se lhe seja "leve" como chumbo e que a alma (se a tem…), apesar de lhe terem dado a "extrema-unção", não tenha o perdão de Deus (se existe…) e arda para sempre no fogo dos infernos!
E não é "castigo" bastante pelo mal que cometeu!…

quinta-feira, novembro 30, 2006

Perguntas

Não foram os EUA que, durante a Guerra do Afeganistão (1979-1989), armaram e treinaram grupos guerrilheiros islâmicos anti-soviéticos, os mujahidin (que estiveram na origem dos Talibãs) ou grupos terroristas (como a Maktab al Khidmat, que se tornaria a rede Al’Kaida), mergulhando o Afeganistão numa guerra civil que devastou o país?

Não foram os EUA que apoiaram a subida de Saddam Hussein ao poder em 1979 e empurraram o Iraque contra o Irão numa guerra de oito anos (1980-1988) onde as armas norte-americanas transformaram o Iraque numa potência local, ao mesmo tempo que vendiam secretamente armas ao Irão, de onde conseguiam dinheiro sujo para financiar os "contras" na Nicarágua?

Assim sendo, as invasões do Afeganistão e do Iraque tiveram alguma coisa a ver com a propagandeada luta contra o terrorismo e a democratização daqueles países — cujas trágicas consequências estão à vista de todos — ou antes, com os interesses geo-estratégicos dos EUA e o insaciável apetite das suas corporações?

E já agora, partindo do pressuposto que a NATO — criada na ressaca 2.ª GM, ao que parece para defender o "Ocidente" da ameaça do Pacto de Varsóvia — ainda é a Organização do Tratado do Atlântico Norte, porque que é que esta organização tem de participar nos ataques "preventivos" do império americano, no Médio Oriente, em África ou onde lhe dá na real gana?
(Esperem… só se a NATO não passa de um instrumento da política militar dos EUA! Ou então, a geografia já não é o que era e o Médio Oriente, a África ou qualquer sítio invadido pelos americanos, são banhados pelo Atlântico Norte!)

Concluindo…

Quem invadiu, bombardeou, destruiu e chacinou, mesmo se, nalguns casos, com o vergonhoso beneplácito da ONU, não tem qualquer direito de envolver terceiros!
Quem criou os problemas — e que problemas! — que os resolva.
Comecem por regressar a casa, de onde não deviam ter saído. Depois, faltará apenas, à semelhança de Milosevic ou de Saddam, serem julgados pelos hediondos crimes de guerra que cometeram. Mas isso não será possível. Enquanto forem donos do mundo.

quarta-feira, novembro 29, 2006

Neo-liberalismo escondido com o rabo de fora!

Ao que parece, depois de se ter apaixonado pelo modelo finlandês de Educação que, reconheçamo-lo, é dos melhores do mundo — na Finlândia… onde corrupção e clientelismo são práticas ali desconhecidas (mas isso seria tema para outra conversa…) — o governo, parece agora simpatizar com o modelo laboral dinamarquês, defendendo a “flexibilização” da legislação laboral, de forma a facilitar o despedimento de trabalhadores, em nome da competitividade da economia.
“Esquece”, no entanto, como lhe convém, no seu frenesim “reformista” e “modernizador”, que estamos num país de baixos salários, emprego precário, elevados encargos das famílias com a saúde e a educação. Um país que está longe de ser a Dinamarca. Um país onde, contrariamente ao que se passa nos países nórdicos, o Estado social é cada vez mais uma miragem.
Por este caminho, se alguma coisa se vai conseguir, além do enriquecimento cada vez maior dos mesmos, é o aumento da pobreza e da exclusão social. Restar-nos-á, então, a “caridade” dos ricos, com o “alto patrocínio” de Cavaco!

terça-feira, novembro 28, 2006

Viva o Estado de Direito democrático!

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra decidiu, na passada sexta-feira, que a co-incineração em Souselas só pode avançar depois de realizada uma avaliação de impacte ambiental, dando razão à acção judicial interposta pela Câmara de Coimbra.

A decisão de avançar com a co-incineração de resíduos industriais perigosos em Souselas, povoação que, à custa da cimenteira da Cimpor ali instalada, segundo um estudo recente da Administração Regional de Saúde do Centro, regista a maior incidência de casos de bronquite crónica, doenças tumorais, endócrinas, cardíacas e diabetes, da região centro, e no Outão, cuja cimenteira da Secil, está situada em pleno Parque Natural da Arrábida, classificado como área de paisagem protegida pela própria União Europeia, é bem reveladora do respeito que este governo tem pelas pessoas e pelo ambiente que diz defender.

Contra a opinião das populações, das autarquias, das associações ambientalistas, de toda a Oposição parlamentar (enfim, mais uma cambada de "privilegiados" que estão contra o "interesse nacional" — tudo pela Nação, nada contra a Nação, lembram-se?) o governo, com a cumplicidade da sua "maioria silenciosa", insiste em cometer um grave atentado, um crime imperdoável, contra a saúde pública e o ambiente.

Só não o conseguiu ainda porque, às vezes, os Tribunais, o Estado de Direito e a democracia, funcionam. Como agora aconteceu.

Viva o Estado de Direito democrático!

domingo, novembro 26, 2006

A oeste nada de novo

A oeste nada de novo, que é como quem diz, por cá, em matéria de combate à corrupção, continua tudo ou quase tudo como dantes. Apesar da declarada intenção do novo Procurador-Geral da República em dar-lhe combate e dos discursos (de circunstância?) de Cavaco. Com efeito, de "boas" intenções parece continuar o inferno cheio…

Quem o afirma, em entrevista ao CM, é o professor e fiscalista José Luís Saldanha Sanches que, sem papas na língua, como já nos habituou, ainda vai mais longe, ao afirmar que "o ministro da Justiça tem sido um desastre" e que "[o primeiro-ministro] não tem vontade nenhuma de resolver os problemas da Justiça e parece não gostar muito de tribunais."

Afinal, que é feito da apregoada "coragem" deste governo?
É que o que isto parece revelar também começa por "c" mas não se chama coragem. Tem antes o nome de conivência!…

sábado, novembro 25, 2006

O Salazarismo está vivo?

A propósito do debate sobre a revisão do programa do P"SD", devo confessar que é um partido do qual nunca esperei nada de bom. Como também não tenho ilusões em relação ao P"S". Ao fim e ao cabo, um e outro já demonstraram, durante os últimos 30 anos, as "maravilhas" que são capazes de fazer. Os números do Eurostat, como o algodão, não enganam.

Não me interessaria, portanto, mais esta catarse "laranja", não fora a intervenção de Pacheco Pereira, que teve duas tiradas particularmente relevantes com as quais, de certa forma, estou de acordo.

A primeira, quando refere a adopção da trilogia salazarista "Deus, Pátria e Família" por parte de Cavaco, quando foi primeiro-ministro.
O professor (de Finanças, como Salazar) nunca foi social democrata (se é que verdadeiramente alguém o é naquele partido?!…), nem sequer um verdadeiro militante do P"SD". Serviu-se apenas do partido para alcançar o poder e nele se manter (de resto, foi por "mero acaso" que ele foi eleito secretário-geral, quando foi experimentar o carro à Figueira da Foz!…). Mas isso não é de admirar em quem sempre teve horror ao discurso político e aos partidos, como recentemente ficou demonstrado na sua campanha presidencial. Como Salazar, "Tudo pela Nação, nada contra a Nação" (a sua Comissão de Candidatura era uma amostra muito significativa da "nação" que ele defende!…).

A segunda, quando afirma que "O PS vai pagar caro por governar mantendo o partido num canto" e conclui que "um partido de funcionários políticos é um desastre".
Sem dúvida que um partido de funcionários "políticos" é um desastre mas quem paga não é o PS (nem a sua clientela)! Quem paga é o país! Quem paga somos nós!
E o partido não está no canto! Bem pelo contrário! Ele é a verdadeira União Nacional de que Sócrates se serve para levar a cabo as suas "corajosas reformas".
Há apenas um "pequeno" senão: a contestação dos estudantes e dos professores, dos médicos e dos enfermeiros, dos funcionários públicos, dos trabalhadores e dos desempregados, dos consumidores e dos contribuintes, dos pequenos e médios empresários, dos magistrados judiciais e dos polícias, até dos militares — se é que não me esqueci de alguma classe de "privilegiados"?!… — mas isso resolve-se com uns processos disciplinares! Ou, se a teimosia crescer, com umas chanfalhadas da polícia de choque!…
E quanto aos chatos dos sindicatos — alguns dos quais até foram criados pelo P"S" e pelo P"SD", lembram-se? — e dos partidos da oposição, já que não se pode ilegalizá-los — e não convém, para dar a ideia de que isto ainda é uma democracia… — ficam a falar sozinhos.
A comunicação social e as sondagens fazem o resto.

Como dizia o Zeca, "o país vai de carrinho"!

quarta-feira, novembro 22, 2006

Protesto contra que aulas de substituição?

Os alunos estão hoje uma vez mais em protesto contra as aulas de "substituição", diz-se.
Mas o que não é explicado é contra que aulas de substituição eles, justamente e com toda a razão, se manifestam.

Vejamos.

Diz o ministério da "educação", no seu portal, nas instruções para a organização e distribuição do serviço docente nas escolas, em 2006-2007 (extraídas do Despacho n.º 13 599/2006 (2.ª série), de 28 de Junho) que:

Tendo em vista garantir o cumprimento dos programas, o professor deve, sempre que possível, entregar ao conselho executivo o plano da aula a que irá faltar.
O conselho executivo, na posse do plano da aula, deve providenciar para que a mesma seja leccionada por um professor com formação adequada, dando preferência aos docentes do quadro cuja componente lectiva necessite de ser completada. Quando tal não for possível [e na maior parte das vezes não é, seja pelo imprevisto da falta, seja por naquele momento não haver professores com formação adequada], devem ser organizadas actividades de enriquecimento e complemento curricular, entre as quais se contam as seguintes actividades educativas:

* actividades em salas de estudo;
* clubes temáticos;
* actividades de uso das tecnologias de informação e comunicação;
* leitura orientada;
* pesquisa bibliográfica orientada;
* actividades desportivas orientadas e actividades oficinais, musicais e teatrais.

Acontece que, em vez disso, à revelia do que a lei manda e a pedagogia aconselha, os alunos estão a ser enclausurados na sala de aula com um qualquer professor, o qual, por mais imaginação e capacidade de improviso que tenha, nunca conseguirá fazer daquela situação uma verdadeira aula. Desde logo porque os alunos a não aceitam…

É apenas isto que os alunos não querem! Por mais atestados de menoridade mental que lhes queiram passar!
Será que o governo já se esqueceu do que ainda há tão pouco tempo legislou?

segunda-feira, novembro 20, 2006

Todos devemos alguma coisa a um professor!

O grande humanista renascentista Erasmo de Roterdão afirmava que "a primeira fase do saber é amar os nossos professores."

É justamente isso que se faz em França, onde o Ministério da Educação está a promover uma campanha de reabilitação e valorização do papel social do professor subordinada ao lema "Todos devemos alguma coisa a um professor!".

Cá, o ministério da "educação" enxovalha e enlameia irremediavelmente os professores, transformando-os em bodes expiatórios dos males do nosso ensino!…
Com isso, não serão só os professores os prejudicados!
Serão também e principalmente os jovens e o país, que irá continuar a vegetar na cauda da Europa por muitos e bons (=maus) anos!

sábado, novembro 18, 2006

António Borges dá razão ao PCP!

António Borges, ex-vice-governador do Banco de Portugal e actual vice-presidente da Goldman Sachs, militante do PSD, foi um dos membros da equipa que em 2002 lançou o projecto da União Económica e Monetária e, nessa condição, defendeu a inclusão de Portugal na zona euro.
Agora vem reconhecer aqui que, "se calhar, não estávamos à altura do desafio, porque não tivemos consciência das dificuldades da mudança de regime", acrescentando que agora o país “não tem os mesmos instrumentos de política monetária de que então dispunha, e que usou para lidar com as crises de 1975 e 1985".
Isso já há muito todos percebemos e não somos economistas. Pena é que este laureado "economista" tenha levado 4 anos a chegar a esta triste conclusão!

Razão tem o PCP quando defende aqui a suspensão do Pacto de Estabilidade e Crescimento por considerar que a adesão de Portugal à moeda única trouxe consequências económicas e sociais negativas para Portugal e, em particular, para os trabalhadores portugueses (estagnação económica, contenção salarial, desemprego).
O curioso desta história é a razão dos comunistas ser agora reforçada pelo mea culpa de quem foi responsável pela loucura!…

terça-feira, outubro 24, 2006

Novo CD da Brigada Victor Jara

Para os menos atentos…

A Brigada Victor Jara, 30 anos de resistência na defesa da cultura e da música popular portuguesas, acaba de lançar o seu último trabalho, Ceia Louca, nas discotecas a partir de ontem.


Provem esta amostra da Ceia!


Crimes de guerra

Segundo o insuspeito jornal israelita Haaretz, em 22 de Outubro o governo de Israel reconheceu, pela primeira vez, ter utilizado bombas de fósforo durante a segunda guerra contra o Líbano. As vítimas foram sobretudo civis libaneses, que morreram com os corpos encarquilhados.

Em Novembro de 2004, as tropas americanas também já tinham utilizado munições de fósforo durante o bombardeamento de Faluja, no Iraque, deixando atrás de si uma sementeira de corpos de civis queimados.

A Convenção de Genebra, no seu Protocolo Terceiro sobre Armas Convencionais, proibe a utilização de "armas incendiárias", designadamente de fósforo.
Acontece que Israel e os Estados Unidos não são signatários do Protocolo Terceiro da
Convenção de Genebra.
Como Estados fora-da-lei e acima da Lei, podem, portanto, cometer as maiores atrocidades que o TPI não é para eles!

Tudo em casa!


O norte-americano Elie Wiesel poderá ser o próximo Presidente de Israel. O nome do escritor tem estado a ser referido, ao longo desta quarta-feira, pela classe política israelita.

O nome de Wiesel é um dos vários mencionados para substituir o actual chefe do Estado judaico. Moshé Katsav é acusado de ter violado uma colaboradora.


Para quem viola, de forma brutal e sistemática, os mais elementares direitos de um povo, a violação de uma secretária é coisa menor.

Quanto à eleição de um americano para presidente de um protectorado dos EUA, não me espanta! Fica tudo em casa…

O país em que vivemos

Já há muito não estamos no país da "velhinha vestida de preto, puxando pela arreata um burro que, por sua vez, puxa uma carroça cheia de palha", de que fala Nicolau Santos.
Porém, com "tanto" caso de sucesso que ele aponta, parece até que não estamos num dos países mais pobres e menos desenvolvidos da UE.
Um país com valores dos mais baixos para o PIB per capita, a produtividade, os salários.
Um país com a mais baixa taxa de crescimento do PIB, a mais injusta repartição do rendimento, a mais baixa percentagem de adultos que concluíram o ensino secundário (e, no casos dos jovens, uma das mais baixas).
Um país com uma das mais baixas capitações da despesa com a protecção social, onde as famílias estão entre as que mais gastam com a alimentação e, inversamente, menos gastam em cultura e recreio.
Um país cujos gestores e empresários, segundo
insuspeita análise, são os principais responsáveis pelo seu atraso.
Um país onde a crise se "resolve" por um simples exercício de retórica ministerial.
Enfim, um país que, ao cabo de 30 anos de mediocridade governativa e outros 20 de regabofe à custa dos fundos comunitários, enquanto os seus pares se desenvolveram, permanece tristemente entre os mais atrasados da UE.

Mas é verdade!
Utilizando as palavras de NS, “É este o País em que (…) vivemos. (…) o País estatisticamente sempre na cauda da Europa (…).”
Infelizmente!…

segunda-feira, outubro 16, 2006

Contradições… ou talvez não!

1. Pobreza

Milhares de pessoas em todo o Mundo levantaram-se nas últimas 24 horas contra a pobreza numa campanha que pretende ser a maior mobilização de sempre de cidadãos contra o flagelo da pobreza extrema.

Um quinto da população mundial sobrevive em condições de extrema pobreza, dispondo de menos de 1 euro por dia, o que leva a que cerca de 30 mil crianças morram à fome, em cada dia que passa!

A erradicação da pobreza até 2015 é um dos Objectivos do Milénio, da ONU, mas, pelo caminho que as coisas seguem, sabe-se já que não irá ser alcançado. E no entanto, não é uma questão de falta de recursos — o dinheiro gasto em despesas militares dava e sobrava para resolver o problema! — mas apenas de falta de vontade política: os interesses da indústria de armamento falam mais alto!


2. Obesidade

Paradoxalmente (ou talvez não…), há hoje mais pessoas com excesso de peso do que a passar fome!
A obesidade afecta já mais de 20 milhões de pessoas em todo o mundo e deixou de ser apenas uma característica dos países ricos. Portugal, por exemplo, com 2 milhões de pobres, conta com 1 milhão de obesos.
Consequências da "democratização" da "fast food"! Uma vez mais (e sempre) os interesses das grandes corporações estão primeiro. As pessoas só interessam enquanto consumidores!

O atoleiro iraquiano

Para quem declarou que a invasão — porque de invasão se tratou, para mais, à revelia do Direito Internacional e contrariando a imensa maioria da opinião pública mundial — visava apenas combater o terrorismo e tornar o Mundo mais seguro — problema que não só não resolveu como agravou —, a pretexto de que o Iraque possuía arsenais de armas de destruição em massa, que o sunita Saddam era amigo do xiita Bin Laden, que era necessário converter os "infiéis" iraquianos às virtudes da "democracia" — Paul Wolfowitz, ao menos, foi claro, dirigindo-se a um entrevistador da BBC: "O país nada em petróleo… o que é que você queria que fizéssemos?" — já não falta muito para que a "democratização" do Iraque esteja consumada!
Depois da "limpeza" de 655 000 iraquianos (a maioria deles, provavelmente, sunita), só faltava mesmo a constituição de um Estado islâmico iraquiano.

terça-feira, outubro 10, 2006

Blue Man Group on Global Warming

Your attention please. Thank you for choosing earth as your planetary vehicle. We hope you enjoy the many wonderful features of this planet, as you hurtle through the cosmos. Please note, that in the event of continued inaction in the face of global warming - your seat cushion can be used as a flotation device. Please take a moment to locate this planet's emergency exits. As you can see, there aren't any!

sexta-feira, março 24, 2006

Cada vez mais pobres

"Ai, Portugal, Portugal
De que é que tu estás à espera?
Tens um pé numa galera
E outro no fundo do mar
Ai, Portugal, Portugal
Enquanto ficares à espera
Ninguém te pode ajudar"

Jorge Palma


Em 2003, fomos ultrapassados pela Eslovénia. Em 2005, pela República Checa
.

No último quartel do século XIX, o rotativismo de regeneradores e progressistas arrastou o país para uma crise económica, social e política sem precedentes, conduzindo à queda da Monarquia constitucional e à implantação da República.
Cem anos volvidos, três décadas de alternância democrática de PSD e PS afundam inexoravelmente Portugal na cauda da Europa.
Não há meio de aprendermos com as lições da História!

sexta-feira, março 17, 2006

Novamente o Maio de 68?


Em França, 20 por cento do desemprego atinge a faixa etária compreendida entre os 18 e os 25 anos. Como se esta realidade não fosse já suficientemente preocupante e injusta, a nova lei laboral vem permitir o despedimento sem justa causa nem indemnização, durante os primeiros dois anos de contrato.
Por esta razão os
jovens franceses se manifestam e lutam. Contra a iniquidade de uma lei e a discriminação de um sistema, de que não aceitam ser vítimas.
Em Paris, na Margem Esquerda, hoje, tal como em Maio de 68.

quinta-feira, março 16, 2006

Direitos Humanos: falar é fácil


A Assembleia-Geral das Nações Unidas aprovou ontem, por uma esmagadora maioria de 170 votos a favor, o novo Conselho dos Direitos Humanos, organismo que substituirá a desprestigiada e ineficaz Comissão dos Direitos Humanos. Os Estados Unidos votaram contra, acompanhados por Israel e duas marionetas americanas do Pacífico (ilhas Marshall e Palau).
Quem age frequentemente à revelia do Direito Internacional, quem se acha acima do Tribunal Penal Internacional, quem se julga no direito de prender pessoas por tempo indeterminado e sem culpa formada, de torturá-las e de tratá-las à margem de toda a legalidade e humanidade, só pode "estar-se nas tintas" para os Direitos Humanos. Por muito que fale deles. Como se vê.

quarta-feira, março 15, 2006

Portugal, o cavaquistão


Depois da eleição de um "hiato histórico" para a Presidência da República, nunca achei (tampouco aceitei) que Cavaco viesse a ser o "Presidente de todos os portugueses" (meu não será, seguramente). Mas, se dúvidas ainda restassem, elas dissiparam-se agora por completo com a divulgação dos cinco elementos cuja nomeação para o Conselho de Estado é da sua competência. São eles: Marcelo Rebelo de Sousa, Manuela Ferreira Leite, João Lobo Antunes, Manuel Dias Loureiro, do PSD, e Miguel Anacoreta Correia, do CDS-PP.
Se lhes juntarmos Alberto João Jardim, Ramalho Eanes e… José Sócrates, só ficarão a destoar da maioria cavaquista, Mário Soares, Jorge Sampaio, Jaime Gama e Carlos César.
Será que, como escreve o JT, parafraseando Chico Buarque, esta terra ainda vai tornar-se um imenso "cavaquistão"?

segunda-feira, março 13, 2006

Quem viola o Tratado de Não Proliferação Nuclear?


O Irão recusa as exigências da Agência Internacional da Energia Atómica e uma eventual ordem do Conselho de Segurança da ONU para por fim às suas actividades nucleares, alegando que se destinam à produção de energia. E, aqui para nós, tem toda a razão.
É que, mesmo que eventualmente duvidemos da bondade das intenções dos iranianos, depois de se saber que Tony Blair e George Bush estão secretamente a desenvolver uma nova arma nuclear, temos de admitir que Teerão está no pleno direito de continuar o seu programa. Ou o Tratado de Não Proliferação Nuclear é só para alguns? Haja decência!…

Mulheres de armas



















O Iraque resiste


E nós a pensarmos que eram os terroristas da Al Qaeda que não deixavam "democratizar" o Iraque!
Afinal são os "mal agradecidos" d
os iraquianos que resistem de armas na mão à ocupação anglo-americana. E o todo poderoso ocupante percebeu finalmente que não tem outra solução senão negociar com a guerrilha. Goste ou não da ideia.
Pena que só agora tenha chegado à conclusão dessa inevitabilidade. Ter-se-ia evitado muitas mortes inocentes.

quinta-feira, março 09, 2006

Velhos desafios

No discurso da tomada de posse como Presidente da República, Cavaco Silva, apontou cinco desafios para abrir caminho ao progresso de Portugal:

1.º "crescimento mais forte da economia portuguesa"
2.º "qualidade da educação dos nossos jovens e da formação dos nossos trabalhadores"
3.º "sistema de justiça eficaz, caracterizado pela qualidade"
4.º "sustentabilidade a médio e longo prazo do financiamento do nosso sistema de segurança social"
5.º "cultura de honestidade, de transparência, de responsabilidade, de rigor na utilização dos recursos do Estado, de ética do serviço público, de respeito pela dignidade das pessoas, de cumprimento de promessas feitas"

Velhos desafios para velhos problemas. Que velhos políticos e políticas não têm resolvido. (Cavaco incluído, durante 10 anos!). Os desafios não são para eles, são só para os outros!…

segunda-feira, março 06, 2006

O atentado

Como já aqui referimos, um estudo recente da Administração Regional de Saúde do Centro revela que Souselas regista a maior incidência de casos de bronquite crónica, doenças tumorais, endócrinas, cardíacas e diabetes, da região centro, facto que naturalmente resultará da poluição emitida pela cimenteira da Cimpor ali instalada.
Quanto à cimenteira da Secil, no Outão, está "apenas" situada no Parque Natural da Arrábida, classificado como área de paisagem protegida pela própria União Europeia.

Além disso, a Quercus alerta para os riscos ambientais que podem resultar da queima de resíduos industriais perigosos sem a sua triagem e o seu tratamento prévio por centros especializados, que só entrarão em funcionamento dentro de ano e meio. E explica tudo aqui.

José Sócrates é que não se incomoda com esses "detalhes" e portanto, o seu "porta-voz" para o "ambiente" já anunciou que a co-incineração de resíduos industriais perigosos vai ser retomada, precisamente nas cimenteiras do Outão e de Souselas, dentro de três a seis meses.

Em nome da "defesa" do ambiente, o governo do PS prepara-se para cometer um grave atentado, um crime, contra o ambiente e a saúde pública.
Contra a opinião das populações, das autarquias, das associações ambientalistas, de toda a Oposição parlamentar — à esquerda e à direita!
Isto não é um governo socialista! É um governo… autista (para não lhe chamar outra coisa bem pior e certamente mais verdadeira).

domingo, março 05, 2006

Finalmente!

Parece que finalmente os americanos descobriram o embuste que elegeram para presidente! A popularidade de Bush não pára de descer!
Quando é que nos veremos livres deste pesadelo?

Desgraça de Estado!

Na queda da ponte de Entre-os-Rios morreram tragicamente cinquenta e nove pessoas, das quais, trinta e seis desapareceram para sempre nas águas do Douro ou do Atlântico.
Cinco anos depois, os familiares das vítimas continuam ainda à espera de uma decisão da justiça.
Cinco anos depois, mais de metade das obras que foram recomendadas continua em fase de estudo e sem concurso. Talvez à espera que outra tragédia aconteça. Talvez à espera que mais famílias fiquem de luto.
Desgraça de justiça, de governança, de Estado!

sábado, março 04, 2006

Deus é grande e Bush e Blair os seus profetas!

Já sabíamos que a democracia está minada pelo poder dos grandes grupos económicos e do capital financeiro. Saramago chama-lhe plutocracia.
Soubemos também, o próprio o afirmou, que Bush invadiu o Iraque mandado por Deus.

E agora ficámos a saber que "Blair crê que Deus será o juiz último da sua decisão de apoiar a guerra no Iraque."
Afinal não é só nas teocracias islâmicas que o poder é uma emanação divina! No Ocidente também há teocracias!
É caso para dizer… Deus é grande e Bush e Blair os seus profetas!…

Os "cartoons"

Não servem apenas e principalmente para lançar a discórdia entre os povos. Também podem festejar a amizade entre as nações.

O beijo através do Atlântico, Mora (1922)
publicado na Ilustração Portugueza e na Revista da Semana (Brasil)
para assinalar a primeira travessia aérea do Atlântico Sul.

sexta-feira, março 03, 2006

Os dois mundos

Nas projecções de Tikunov, a dimensão de cada país é ajustada de acordo com o valor da variável representada.
O mapa 1, que se refere à população, mostra uma apreciável concentração populacional no hemisfério sul, particularmente no continente asiático.
O mapa 2, relativo ao Produto Nacional Bruto, põe a nu o contraste chocante entre a extrema pobreza do Terceiro Mundo e a elevada riqueza dos países desenvolvidos.

Mapa 1 — População

Mapa 2 — Produto Nacional Bruto

"We are all ears"???…

Pois é! Quem está mesmo precisado de frequentar as aulas de inglês do 1.º Ciclo do Ensino Básico é o Senhor Primeiro-Ministro!… (o "RandomBlog" conta a anedota).

Um tiro na mouche…

Este post do "Classe Política".

Confusão na universidade portuguesa

A confusão na universidade portuguesa vai continuar por mais alguns anos.
A previsão é do Reitor da Universidade de Coimbra, Fernando Seabra Santos, que lamenta a forma como o Governo legislou sobre o enquadramento do Processo de Bolonha, atirando para as instituições a responsabilidade de definir conceitos — designações, duração e critérios de acesso aos cursos — que deveriam ser objecto de conveniente regulação.
Segundo Seabra Santos, não é por haver sistemas regulados que, em países europeus com os quais Portugal se gosta de comparar, a autonomia universitária sai beliscada.
É graças à regulação que nesses países não é possível “que cada instituição invente um nome diferente para cursos cujo conteúdo nuclear está padronizado”, como acontece em Portugal, onde existem 1.800 licenciaturas com 825 designações distintas.
É graças à regulação que nesses países não é possível “que um mesmo curso tenha durações diferentes” de escola para escola, “ou que uma escola de Engenharia possa decidir que os seus estudantes não precisem de saber matemática à entrada”.
De tudo isto (e muito mais, como por exemplo, o corte orçamental de 2,6 milhões de euros, o maior dos últimos dez anos) falou, na abertura da sessão solene do 716.º aniversário da Universidade de Coimbra, o seu Reitor. Magnífico!

quinta-feira, março 02, 2006

É urgente a impugnação de Bush!

TROPAS AMERICANAS NÃO QUEREM CONTINUAR

Ao contrário de Bush, que repetidamente tem afirmado que os EUA só sair
ão do Iraque quando acabarem a sua "missão", 72% das tropas americanas que lá estão defendem que a retirada deve acontecer dentro de um ano e destes, 29% acham mesmo que a saída deve ser imediata.


INVASÃO DO IRAQUE AUMENTOU O TERRORISMO

Uma gigantesca sondagem internacional promovida pela BBC, confirmou que a maioria da população mundial está convencida de que a invasão do Iraque aumentou as hipóteses de ataques terroristas.
O inquérito, feito a 41 856 pessoas em 35 países, concluiu que 60% dos inquiridos partilham desta opinião, sendo apenas 12% os que pensam que a guerra reduziu a possibilidade de tais ataques.


KATRINA: BUSH SABIA QUE NÃO ESTAVA PREPARADO

Afinal Bush foi devidamente informado da possibilidade do furacão Katrina destruir os diques de segurança e pôr em risco as vidas dos refugiados no Superdome de New Orleans e dos elementos das equipas de salvamento, como é comprovado por um vídeo confidencial. Durante o breafing com os oficiais da segurança não fez uma única pergunta e no final limitou-se a dizer: "We are fully prepared." Tão bem preparados que depois foi a desgraça que o mundo viu!…

quarta-feira, março 01, 2006

O "carnaval" continua

Apesar dos 8 mortos e 34 feridos graves que resultaram dos acidentes de automóvel verificados entre a meia-noite da última sexta-feira e a meia-noite de ontem, a folia carnavalesca despediu-se com festa rija em todo o país.


Hoje, quarta-feira de Cinzas, o "carnaval" continua. E a crise também.

Viva España!


Finlândia e Espanha são os únicos país da zona euro que, em 2005, registaram um superávite orçamental, ou seja, um saldo positivo nas contas públicas. No caso dos finlandeses o saldo foi de 2% do PIB. No caso de nuestros hermanos, que aconteceu pela primeira vez durante o regime democrático, o superávite foi de 1,1% do PIB.

Em qualquer das situações, estes valores são muito melhores que a média da zona euro, que apresenta um défice de 2,9% do PIB e incomparavelmente melhores que os cerca de 6% do nosso país.

Fonte: El País

terça-feira, fevereiro 28, 2006

Souselas: quanto mais me bates…

Ao que parece, Portugal precisa de dois aterros para resíduos industriais perigosos, uma vez que exporta cerca de 50 por cento da sua produção anual. Apoiado no relatório duma Comissão Científica supostamente Independente, o Governo está, por isso, decidido a avançar com a co-incineração, afirmando que este é o melhor método para a queima de resíduos industriais perigosos e garantindo que qualquer cimenteira do país está em condições de o receber.
Outão, em Setúbal, e Souselas, em Coimbra, são, no entanto, os alvos preferenciais, uma vez que, alegadamente, já têm estudos realizados. Estudos que, parece não terem tido em conta o facto de Outão se situar na área de paisagem protegida da Serra da Arrábida e, de acordo com um recente estudo da Administração Regional de Saúde do Centro, também divulgado aqui, Souselas registar a maior incidência de casos de bronquite crónica, doenças tumorais, endócrinas, cardíacas e diabetes, da região centro.
Durante o Governo de António Guterres, com José Sócrates ministro do Ambiente, a co-incineração em Souselas esteve por um fio. Seis anos volvidos, em 2005, os souselenses esqueceram a ameaça e deram uma expressiva vitória ao PS, com 42% dos votos. Agora Sócrates prepara-se para lhes agradecer tamanha fidelidade.
Até parece que, com tanta malfeitoria, o povo habitua-se!

Carnaval e favelas

Todo o morro entendeu
quando Zelão chorou
ninguém riu, ninguém brincou
e era Carnaval

No fogo de um barracão
só se cozinha ilusão
restos que a feira deixou
e ainda é pouco só.

Mas assim mesmo Zelão
dizia sempre a sorrir
um pobre ajuda outro pobre
até melhorar

Choveu, choveu,
e a chuva botou sem barraco
no chão
nem foi possível
salvar violão
que acompanhou morro abaixo
a canção
das coisas todas
que a chuva levou
pedaços tristes do seu coração

de Sérgio Ricardo
in Sertão & Favelas, de Zélia Barbosa

domingo, fevereiro 26, 2006

Mulheres ganham cada vez menos que os homens!

A diferença salarial entre homens e mulheres tem-se acentuado em Portugal, nos últimos anos, contrariando a tendência da maioria dos países da União Europeia.
Na realidade, enquanto que em 1999, as mulheres ganhavam em média cerca de 5% menos do que os homens, no final de 2004 a diferença aproximou-se dos 10%.
Afinal, de que serve o Artigo 59.º da Constituição da República Portuguesa afirmar que "todos os trabalhadores, sem distinção de [...] sexo, [...] têm direito [...] à retribuição do trabalho, segundo [...] o princípio de que para trabalho igual salário igual"?...

Quem disse?

"Quando os ricos fazem a guerra, são sempre os pobres que morrem."

sexta-feira, fevereiro 24, 2006

Mais cedo ou mais tarde…

Mais cedo ou mais tarde, a boca foge para a verdade!
Respondendo ao desabafo do ex-candidato presidencial Manuel Alegre, que em recente entrevista confessou sentir-se tratado como inimigo, por algumas pessoas, dentro do PS, o secretário-geral socialista, José Sócrates, afirmou que “a seguir às eleições presidenciais, o PS comportou-se com superioridade e elevação".

Talvez seja verdade! O problema foi antes e durante as eleições!…

Quem a cama faz nela se deita!

"Não há derrota eleitoral (...) que belisque a popularidade de José Sócrates (…), diz o DN, como se a eleição de Cavaco Silva tivesse sido uma derrota para o Primeiro-Ministro.
Ora, acontece que Sócrates, secretamente, sempre almejou ter Cavaco em Belém porque sabia que, por um lado, ele não poderia recusar-lhe a sua prometida cooperação estratégica, e por outro, graças ao seu efeito-eucalipto, contribuiria para secar cada vez mais a oposição da Direita, em particular do PSD, o que nenhum dos candidatos da Esquerda, mesmo os da área do PS, lhe poderia garantir completamente. Para isso avançou com a candidatura de Soares — sabendo de antemão que ele nunca seria eleito — e, de uma assentada, estendeu a passadeira presidencial a Cavaco, livrou-se de vez do patriarca do seu partido e deixou Alegre à deriva sem saber o que fazer com o segundo lugar que obteve.
Jogada de génio! A populaça, pelos vistos, aprecia e brinda José Sócrates, o Governo e o PS com uma significativa recuperação de popularidade nas sondagens.

Só não se entende como é que a rapaziada, tendo eleito um salvador da pátria e estando tão contente com o Governo, continua tão pessimista em relação ao futuro?!… Não dá para entender!… (Ou talvez dê!… Fizeram a cama, nela se hão-de deitar!).

Amadeo de Souza Cardoso à borla!

Para os tesos que não dispõem da módica quantia de 190 000 euros para dar por um Amadeo de Souza Cardoso, aqui ficam três, completamente à borla.


Saut du Lapin (1911)
óleo sobre tela, The Art Institut of Chicago, Chicago, E.U.A.


Procissão Corpus Christi (1913)
óleo sobre madeira, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal


Pintura (Brut 300 TSF) (1917)
óleo sobre tela, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal

quinta-feira, fevereiro 23, 2006

José Afonso vive!

Faz hoje precisamente dezanove anos que faleceu José Afonso, mas a sua música, as suas palavras, o seu exemplo de cidadão empenhado na luta por uma sociedade mais justa e solidária, não se apagarão da nossa memória.


"Curioso é que nós passamos 40 ou 50 anos de uma vida a fazer determinadas coisas e um dia mais ou menos de repente, sem que renunciemos a nada do que fizemos, apercebemo-nos de que tudo deveria ter sido diferente.
É apenas uma vaga sensação que se instala, sem que saibamos defini-la muito bem.
No fundo sou muito mais contraditório e supersticioso do que quis admitir ao longo dos anos."

"Eu sempre disse que a música é comprometida quando o músico, como cidadão é um homem comprometido. Não é o produto saído desse cantor que define o compromisso mas o conjunto de circunstâncias que o envolve com o momento histórico e político que se vive e as pessoas com quem ele priva e com quem ele canta.

"Não me arrependo de nada do que fiz. Mais: eu sou aquilo que fiz. Embora com reservas acreditava o suficiente no que estava a fazer, e isso é o que fica. Quando as pessoas param há como que um pacto implícito com o inimigo, tanto no campo político como no campo estético e cultural. E, por vezes, o inimigo somos nós próprios, a nossa própria consciência e os alibis de que nos servimos para justificar a modorra e o abandono dos campos de luta."

"Admito que a revolução seja uma utopia, mas no meu dia a dia procuro comportar-me como se ela fosse tangível. Continuo a pensar que devemos lutar onde exista opressão, seja a que nível for."

José Afonso

Os mais pessimistas




Na União Europeia, apenas os húngaros são mais pessimistas do que nós, relativamente ao presente, mas quanto ao futuro, os portugueses são mesmo
os mais pessimistas de todos!

Não seria possível rebobinar o filme e começar de novo?

O crime compensa?

O Ministério Público bem pedia o agravamento da pena atribuída pelo Tribunal de Marco de Canaveses ao ex-Presidente da Câmara local, o famigerado trauliteiro Avelino Ferreira Torres, mas o Tribunal da Relação do Porto, considerando que o autarca, pelos vistos um modelo de honestidade e transparência, seria incapaz do crime de peculato, entendeu que Avelino apenas cometeu abuso de poder e agraciou-o com uma redução da pena.
Por este andar, talvez seja melhor a coisa ficar por aqui porque, se sobe ao Supremo, Ferreira Torres ainda é absolvido e, quem sabe, poderá mesmo vir a receber uma comenda no 10 de Junho, pelos bons serviços prestados a Amarante.

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

Respeito e diálogo, precisam-se! Urgentemente!…

Não está em causa a liberdade de expressão mas tão só a sua utilização leviana, irresponsável e gratuita, com o objectivo de fazer da injúria e do ultraje um negócio editorial.

Não está em causa o direito de manifestação e de protesto mas a forma arruaceira, selvagem e desordeira como ele é exercido, às ordens dos que alimentam o fanatismo religioso para deter o Poder.

Não estão, não podem estar, não devem estar em causa os direitos, liberdades e garantias de quaisquer cidadãos! Apenas o seu exercício, que deve ter sempre em conta que se trata de bens que a todos pertencem!

Por isso tem razão quem apela ao respeito! E quem promove o diálogo!…

Telelixo


Nove em cada dez estrelas de cinema usam Lux!

***

Nove em cada dez programas de TV são… lixo!

terça-feira, fevereiro 21, 2006

O emprego volátil

Os fiéis do neo-liberalismo e da sacrossanta liberdade de mercado afinal não têm razões para se andarem sempre a queixar da alegada rigidez da lei laboral portuguesa.
Parece que a criatividade dos empresários nacionais, bem conhecida na arte da fraude e evasão fiscais e do branqueamento de capitais, consegue, com igual engenho e mestria, flexibilizar o mercado de trabalho, recorrendo sobretudo a contratos a prazo, contratos de prestação de serviços ou recibos verdes, para recrutar novos trabalhadores.

Com efeito, em 2004 e 2005, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística, só 29 por cento dos trabalhadores lograram obter um contrato efectivo, enquanto os restantes 71 por cento não conseguiram melhor que um contrato temporário ou de prestação de serviços, com a agravante do vínculo laboral destes trabalhadores ser de tal modo precário que cerca de 40 por cento acabam por ficar desempregados no final dos contratos, enquanto apenas 10 por cento conseguem passar para os quadros. SIC Online

Barbaridades e brutalidades

Sou frontalmente contra o fundamentalismo islâmico, o terrorismo árabe, a jihad islâmica.
Mas, embora seja ocidental, não posso deixar de condenar, com a mesma frontalidade, o extremismo americano (leia-se, da Administração Bush), o seu terrorismo de destruição em massa, a cruzada contra os infiéis em que querem (e pelos vistos estão a conseguir) envolver a Europa.

Choco-me, indigno-me, revolto-me, com as barbaridades que eles cometem, mas perante as brutalidades ainda maiores que nós praticamos, não fico apenas chocado, indignado, revoltado. Fico sobretudo envergonhado.

Afinal onde está a nossa auto-proclamada superioridade cultural e civilizacional?

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

domingo, fevereiro 19, 2006

A "lei da selva"

A chamada "lei da selva" aplica-se apenas ao que é natural, selvagem, e portanto, irracional.
Ainda que às vezes, muitos homens se comportem de forma estúpida e perigosamente irracional, como de resto está a acontecer no actual conflito, que os extremistas ocidentais e islâmicos pretendem civilizacional, o Homem não é um animal irracional e, portanto, a "lei da selva" não se lhe aplica.


O Homem, animal inteligente e racional, tem princípios, acredita em valores, constrói uma Moral, qualquer que ela seja. E a Moral está subjacente a toda a actividade humana, quer se trate da Economia, da Política ou da Arte. Ou da Religião. E é, tem de ser, fonte de inspiração da Lei, não a da selva, mas a que é feita para assegurar o bem comum e a dignidade humana.
Quando tal não acontece, estamos perante um regime imoral, o regresso à selva!
Infelizmente, é o que acontece não só nas ditaduras, mas em muitas plutocracias neo-liberais onde o homem não é irmão mas lobo do homem!

sábado, fevereiro 18, 2006

António Aleixo nasceu há 107 anos!


És feliz, vives na alta

e eu de rastos como a cobra.
Porquê? Porque tens de sobra
o pão que a tantos faz falta.

Co'o mundo pouco te importas
porque julgas ver direito.
Como há-de ver coisas tortas
quem só vê o seu proveito?

Sei que pareço um ladrão...
mas há muitos que eu conheço
que, sem parecerem o que são,
são aquilo que eu pareço.

Vós que lá do vosso império
prometeis um mundo novo,
calai-vos, que pode o povo
qu'rer um mundo novo a sério.

Pela justiça social

Quem disse?

"A opressão do homem pelo homem iniciou-se com a opressão da mulher pelo homem."

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

terça-feira, fevereiro 14, 2006

Entendimento e compreensão mútuos: a estrada da paz!

“Reservemos para nós a tarefa de compreender e unir; busquemos em cada homem e em cada povo e em cada crença não o que nela existe de adverso, para que se levantem as barreiras, mas o que existe de comum e de abordável, para que se lancem as estradas da paz; empreguemos toda a nossa energia em estabelecer um mútuo entendimento; ponhamos de lado todo o instinto de particularismo e de luta, alarguemos a todos a nossa simpatia. Reflictamos em que são diferentes os caminhos que toma cada um para seguir em busca da verdade, em que muitas vezes só um antagonismo de nomes esconde um acordo real. [...] Não os queremos trazer ao nosso grémio nem ingressar no deles; apenas desejamos que da melhor compreensão entre uns e outros, do conhecimento das essências, se erga a morada de um Pai que não distingue entre os eleitos e a todos por igual protege e incita; cada um ficará em sua lei; só pretendemos que não tome os de leis diferentes por implacáveis inimigos ou por almas perversas e perdidas; são homens como nós e vão-se dirigindo ao mesmo fim; desde já os vejamos como futuros companheiros.”

Agostinho da Silva, Considerações (1944)

A paz sem vencedor e sem vencidos

Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos
A paz sem vencedor e sem vencidos
Que o tempo que nos deste seja um novo
Recomeço de esperança e de justiça.
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos

A paz sem vencedor e sem vencidos

Erguei o nosso ser à transparência
Para podermos ler melhor a vida
Para entendermos vosso mandamento
Para que venha a nós o vosso reino
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos

A paz sem vencedor e sem vencidos

Fazei Senhor que a paz seja de todos
Dai-nos a paz que nasce da verdade
Dai-nos a paz que nasce da justiça
Dai-nos a paz chamada liberdade
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos

A paz sem vencedor e sem vencidos


Sophia de Mello Breyner Andresen, Dual (1972)

segunda-feira, fevereiro 13, 2006

Paz precisa-se!

Peter Marlow / Magnum Photos



Peter Marlow / Magnum Photos

Cenas da "Democratização" do Iraque

O vídeo seguinte, publicado pelo jornal inglês News of the World, mostra como os "mestres" britânicos não ficam atrás dos seus comparsas americanos a ensinar a "democracia" aos jovens iraquianos.

(Atenção: absolutamente importante ligar o som)
clicar na imagem

Sem comentários!

Quem quiser guerra, faça-a! Nós somos pelo diálogo e pela paz!…

É. Lá como cá, jornalistas (e cartoonistas) são uma espécie em vias de extinção. Infelizmente, o que há mais são comissários políticos, agentes de propaganda ou simples "vozes do dono". Por convicção ou por medo. Medo de corrererem risco de morte ou, simplesmente, de irem para o desemprego.
Afinal não é só nos regimes teocráticos que as massas são arrebanhadas, em nome da fé, e instigadas a apoiar ou a praticar o terrorismo e a violência.
Também por cá, no Ocidente — era essencialmente na América mas a velha e sensata Europa não só se deixou envolver como é agora o alvo das atenções... — numa democracia cada vez mais transformada em plutocracia insaciável com a legitimação do nosso voto, como explica José Saramago, o rebanho é sistematicamente induzido a aceitar a inevitabilidade da "guerra santa" e do conflito civilizacional. Que há muito começou com o terrorismo de Estado de genocídio em massa.
Por isso, a nós, ainda para mais com vestígios de sangue árabe nas veias, só nos resta combater os inimigos da paz e da tolerância e apelar ao diálogo cultural e à convivência das civilizações! Se ainda formos a tempo...

Assim vai o mundo

Kiko da Silva (Espanha), 2000

Cartoons, Liberdades e Terrorismos

A problemática dos cartoons é tudo menos uma falsa questão, na medida em que o busílis reside não tanto na sua interpretação — que dependerá sempre da matriz cultural do(s) intérprete(s) — mas sobretudo na sua elaboração, que embora decorra de uma liberdade de expressão não negociável e inalienável, não pode nem deve, de forma cinicamente "ingénua" e "inocente", insultar e vilipendiar os sentimentos, as convicções, a dignidade, daqueles que apenas cometem o crime de terem uma cultura e uma civilização diferentes da nossa, sendo todos metidos, injustamente, no mesmo "saco" dos terroristas e inimigos da liberdade!
Terroristas há, infelizmente, muitos e terrorismo não há só um (o deles)! Proceder desta forma é também, quanto a nós, uma forma de "terrorismo" ideológico de consequências imprevisíveis!
E já agora, se dizem que na democracia, tal como nós a entendemos, há órgãos próprios para dirimir os excessos de liberdade de expressão que têm acontecido no "ocidente", então deve aplicar-se o mesmo princípio aos excessos de liberdade de manifestação que têm ocorrido por parte do "mundo islâmico"! Ou será que nós, democratas, temos dois pesos e duas medidas?

sábado, fevereiro 11, 2006

Que liberdade sem tolerância?

Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e ideias por qualquer meio de expressão. (Artigo 19. ° da Declaração Universal dos Direitos do Homem)

A educação deve (...) favorecer a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e todos os grupos raciais ou religiosos, bem como o desencolvimento das actividades das Nações Unidas para a manutenção da paz. (ponto 2 do Artigo 26. ° da Declaração Universal dos Direitos do Homem)

Naturalmente, é muito difícil a quem, de um lado ou de outro, se julga civilizacionalmente superior e detentor da verdade, perceber que não está só, neste mundo. Acha-se, por isso, no direito de usar a liberdade — seja a liberdade de expressão, a liberdade de manifestação ou qualquer outras das múltiplas formas de liberdade, incluindo a liberdade económica — para insultar, agredir, espezinhar, escravizar, matar, ignorando o princípio elementar de que a liberdade só faz sentido se cada "parte" respeitar a liberdade da(s) outra(s) parte(s). Para que a liberdade, utilizada diferentemente por cada "parte", seja um bem de TODOS.
Infelizmente não são poucos os que assim pensam! Os "rebanhos" de fundamentalistas adeptos de uma "solução final", intoxicados e instigados, de um lado, por uma plutocracia disfarçada, e do outro, por uma teocracia "iluminada", são cada vez mais numerosos!

(...) ambos os fundamentalismos se equivalem e prometem locomotivar, pelo sua efervescência vanguardeira, as massas facilmente adesivas .
Olhando friamente tamanhos prodígios civilizacionais encandeia-nos mesmo um efeito de espelho. Comparando a selvajaria que agora somos com as civilizações que já fomos, tal qual a selvajaria que eles agora são com a civilização que já foram, dir-se-ia que a regressão corre geminada e a bom ritmo.

No meio de tanta incompreensão, tanta intolerância, tanto radicalismo, com tanta gasolina atirada para o incêndio, torna-se cada vez mais difícil, talvez até perigoso, apelar à moderação, ao equilíbrio, à convivência, sem corrermos o risco de sermos "empurrados" para a "outra parte", que o mesmo será dizer, sermos tratados como inimigos! Mas é a única luta que vale a pena travar!…