domingo, março 18, 2007

O tigre de papel

De acordo com os estudos da equipa LEAP/E2020, os Estados Unidos estão à beira de se afundarem numa "Muito Grande Depressão", cujo ponto de inflexão poderá ocorrer já no próximo mês de Abril, com a extensão do contágio da actual crise imobiliária — mais de um milhão e meio de acções de despejo e, pelo menos, uma centena de falências de sociedades de crédito imobiliário — à esfera financeira e ao consumo das famílias, provocando severas consequências em numerosos sectores económicos e no dólar. Paralelamente, estas tendências vão acelerar consideravelmente a guerra comercial com a China.
Significativo é o facto da actual crise bolsista mundial ter começado na China, pela queda brutal de quase 10% na bolsa de Xangai, após declarações das autoridades chinesas visando limitar a especulação bolsista, proferidas, certamente não por acaso, na véspera da chegada do Secretário de Estado americano do Tesouro, à Ásia. Como por acaso não terá sido a declaração do governador do Banco Central chinês sobre a diversificação das reservas de divisas do seu país, fora do dólar, o que desencadeou, em Novembro de 2006, uma queda brutal da moeda americana face a todas as grandes divisas.
O governo de Pequim transmite assim sinais claros a Washington de que não vê com bons olhos a intenção dos Estados Unidos de adoptarem medidas proteccionistas. Mas os Democratas, que lideram o Congresso, se quiserem conservar a sua maioria e manter a possibilidade de elegerem o seu candidato presidencial, vêem-se obrigados fazer alguma coisa para proteger o emprego e, por esse facto, preparam-se para votar uma panóplia proteccionista especialmente elaborada para bloquear uma parte das exportações chinesas.
Porém, com um défice comercial de 200 mil milhões USD com a China, os americanos não estão mais em posição de ditar as regras do jogo. Se insistirem neste caminho, mais não farão do que desencadear uma perigosa guerra comercial que, inevitável e facilmente, alastrará às esferas financeira e monetária. É que, doravante, é em Pequim que se determinam os valores do dólar e dos Títulos do Tesouro americano, em que os chineses aplicaram boa parte do seu superávite comercial, financiando a dívida pública americana.
Onde quer que esteja, Mao Ze Dong deve estar a rir-se e a pensar como tinha razão quando, em 1956, afirmou que "o imperialismo americano é um tigre de papel".

Sem comentários:

Publicar um comentário