quinta-feira, março 01, 2007

Economia norte-americana: a depressão ao virar da esquina!

Com as vendas a retalho em ponto morto, em Janeiro de 2007, o défice comercial recorde e a revisão em baixa do crescimento, em 2006, a confirmação da desaceleração económica pela Reserva Federal (FED), falências em série dos organismos de empréstimos hipotecários e a continuação do afundamento do sector imobiliário, a economia dos Estados Unidos parece estar, definitiva e irreversivelmente, à beira da crise.
Segundo o n.º 12 do GEAB, as consequências directas desta crise, que se manifestarão de forma exponencial e convergente já a partir do próximo mês de Abril, conduzindo a economia norte-americana a uma forte depressão de consequências imprevisíveis, irão traduzir-se na:
  • aceleração do ritmo e da importância das falências de sociedades financeiras (de uma por semana, hoje, a uma por dia, em Abril);
  • alta espectacular dos arrestos imobiliários (10 milhões de americanos postos no olho da rua);
  • queda acelerada dos preços dos imóveis (25%);
  • entrada em recessão da economia dos EUA;
  • baixa precipitada das taxas da FED;
  • importância crescente dos conflitos comerciais China-EUA;
  • venda, por parte da China, de dólares americanos e o retorno ao comércio efectuado em Yen;
  • queda brutal do dólar americano em relação ao Euro, ao Yuan e ao Yen; e
  • queda da Libra esterlina.
Afinal, a sobreviver à custa dos capitalistas asiáticos que têm vindo a financiar os seus astronómicos défices (orçamental e comercial), a economia norte-americana não passa de um “tigre de papel”, cujo afundamento afectará, pela certa, muitos milhões de americanos.
Só lamento que também possa vir a sobrar para nós!…

Sem comentários:

Publicar um comentário