quinta-feira, março 13, 2008

Acabou-se? Na sexta-feira veremos…

Confesso que, quando ontem vi e ouvi Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, depois da reunião com Jorge Pedreira, afirmar que agora "há uma luz ao fundo do túnel para desbloquear a situação", enquanto o secretário de Estado da Educação, apesar de usar um registo aparentemente mais flexível que o costume, garantia que o processo da avaliação de professores não seria suspenso, pensei com os meus botões que se tratava de mais um ardil de Maria de Lurdes Rodrigues para nos levar à certa. Ou seja, a alinhar (pouco menos que) incondicionalmente na fantochada por si montada e eufemisticamente designada de avaliação de professores.
Afinal estava enganado. A flexibilidade da equipa do Ministério da Educação e do Governo não passa de mera aparência e a sua irredutibilidade em relação à suposta avaliação dos professores é mesmo cegamente exigida pelo P"S" que, estribado na maioria absoluta de que (ainda) dispõe, continua sobranceiramente a confrontar-se com todos os sectores da sociedade que se opõem à "governação" do seu "querido líder".
Por isso, o Mário que todos nós — sindicalizados ou não na Fenprof — conhecemos — claro, directo, vertical — advertiu sem tibieza que a reunião da próxima sexta-feira, com Ministério da Educação, será "a última oportunidade" para a equipa de Maria de Lurdes Rodrigues demonstrar definitivamente se tem capacidade para "negociar e dialogar". Se tal não acontecer só nos resta um caminho: continuar a lutar e, se preciso for, ir — desta vez iremos todos! — a Lisboa exigir a sua demissão. Por outra política para a Educação. Pela nossa dignidade de professores e de cidadãos. Como disse o outro Mário (o Crespo): Acabou-se!

Sem comentários:

Publicar um comentário