quarta-feira, setembro 23, 2009

A Esquerda impossível

Só os poetas têm a necessária criatividade literária para criarem neologismos de semântica tão intrincada como a expressão esquerda possível, que Manuel Alegre usou, pela primeira vez, no comício do P"S", em Coimbra.
E para nos ajudar a desmontar este elaborado conceito, ninguém melhor que os Gato Fedorento, verdadeiros especialistas numa matéria de tamanha seriedade:
[…] Em Ciência Política, a esquerda possível, juntamente com a direita provável e o centro hipotético, formam a base de sustentação teórica de quem não tem ideologia nenhuma mas gosta de gritar palavras de ordem. A esquerda possível está para a Esquerda como o Mokambo está para o café. É castanho, é quentinho mas, não me lixem, não é café.
O programa político da esquerda possível é quase igual ao da Esquerda só que, muito diferente. A esquerda possível é a esquerda que defende o SNS gratuito para todos… os que não estão doentes. E também a retirada imediata do Afeganistão… durante dois dias. É a esquerda que apoia o casamento entre pessoas do mesmo sexo… desde que não haja um papel passado, não se chame casamento, nem seja atribuído qualquer direito aos alegados cônjuges.
Fica definitivamente esclarecido, portanto, que se trata de uma Esquerda impossível.

Sem comentários:

Publicar um comentário