domingo, novembro 01, 2009

EUA: o Estado fracassado

Os super-ricos riem e dizem: "Que comam bolos"

Os EUA têm todas as características de um Estado fracassado.
O presente orçamento operativo do governo dos EUA está dependente de financiamento estrangeiro e de criação monetária.
Como país demasiado fraco politicamente para defender os seus interesses através da diplomacia, os EUA têm de confiar no terrorismo e na agressão militar.
Os custos estão fora de controle e as prioridades são orientadas em favor de grupos de interesse que enriquecem a expensas da vasta maioria dos cidadãos. Por exemplo, a guerra a todo custo, que engorda a indústria de armamento, os corpos de oficiais e os grupos financeiros que a financiam, ganha prioridade sobre as necessidades dos cidadãos americanos. Não há dinheiro para fornecer cuidados de saúde aos não segurados, mas oficiais do Pentágono disseram na Câmara dos Deputados que cada galão [3,785 litros] de gasolina gasto pelas tropas no Afeganistão custa aos contribuintes americanos US$400. Só os Marines gastam 800 mil galões de gasolina por dia o que,  a US$400 por galão, representa uma conta de combustível diária de US$320 milhões.
Só um país totalmente descontrolado dissiparia recursos deste modo.



Enquanto o governo desperdiça US$400 por cada galão de gasolina, a fim de matar mulheres e crianças no Afeganistão, muitos milhões de americanos perderam os seus empregos e as suas casas e estão a experimentar a miséria que é a vida diária dos povos do terceiro mundo, vivendo nos seus carros, em parques públicos.

Em qualquer Estado fracassado, a maior ameaça à população vem do governo e da polícia. Esta é certamente a situação hoje nos EUA. Os americanos não têm maior inimigo do que o seu próprio governo. Washington é controlado por grupos de interesses que se enriquecem à custa do povo americano.
Os um por cento que incluem os super-ricos riem e dizem: "Que comam bolos!".

The US as Failed State, de Paul Craig Roberts (via info.resistir)

Sem comentários:

Publicar um comentário