terça-feira, março 30, 2010

Submarinos, corrupção e endividamento

Um cônsul honorário de Portugal terá recebido um suborno de 1,6 milhões de euros dos alemães para ajudar a concretizar a compra de dois submarinos pelo Estado português em 2004, quando Durão Barroso era Primeiro-ministro e Paulo Portas, Ministro da Defesa. Quando se trata de negociatas e corrupção, de uma forma ou de outra, estamos sempre envolvidos.
Seja como for, seria um bom pretexto para o imediato cancelamento do contrato de fornecimento dos submarinos, medida que permitiria a Portugal poupar a módica quantia de mil milhões de euros, qualquer coisa como mais do dobro do que o Estado prevê encaixar com o fim das deduções fiscais. Mas, para isso, precisaríamos de um Governo responsável que pusesse os interesses colectivos dos portugueses em primeiro lugar. O que não acontece.

Sem comentários:

Publicar um comentário