terça-feira, junho 01, 2010

Lavar as mãos não limpa a consciência

Contrariando a advertência de um homem cuja superioridade moral é indiscutível, o Estado de Israel viria a ser criado, em 1948, com a cumplicidade da ONU, de forma apressada, obscura e parcial, sem acautelar os direitos fundamentais do povo palestino e a sua milenar convivência com os judeus. O futuro, nomeadamente, a partir da guerra de 1967, veio infelizmente dar razão a Gandhi.
À margem do Direito Internacional, Israel não tem parado de levar a cabo acções criminosas e intoleráveis contra os palestinianos. Retalha-lhes e rouba-lhes o território confinando-os em verdadeiros campos de concentração. Destrói-lhes as escolas, os hospitais, as habitações, corta-lhes a energia eléctrica, rouba-lhes a água. Metralha-os e massacra-os impiedosamente praticando um vergonhoso genocídio que não poupa sequer crianças e mulheres. Tudo isto, à margem do Direito Internacional, chegando ao ponto de atacar aqueles que têm a coragem de se solidarizar activamente com o povo palestino, como ainda agora aconteceu.


É por isso que, no momento em que os Judeus se colocam ao lado dos Palestinianos, como sempre estiveram há mais de 2000 anos, na luta contra a brutalidade do sionismo israelita, não é moralmente aceitável que lavemos as mãos como Pilatos, fazendo de conta que não é nada connosco. É um problema da Humanidade. Por esse facto, de todos e de cada um de nós. Seja qual for a nossa religião, se alguma tivermos.

Sem comentários:

Publicar um comentário