segunda-feira, janeiro 18, 2010

Evocar 18 de Janeiro de 1934

Chegado ao poder em 5 de Julho de 1932, Salazar cuidou de preparar a base constitucional e legislativa do chamado Estado Novo, regime autoritário que se caracterizaria pela extinção dos mais elementares direitos e liberdades dos cidadãos e pela completa negação do pluralismo partidário. Com a aprovação da Constituição de 1933, decreta a proibição da greve e do lock-out e institui o princípio do sindicato único com o objectivo de acabar com os sindicatos livres e em seu lugar criar sindicatos nacionais corporativos controlados pelo Estado.
E é contra este edifício legislativo fazcizante e a ilegalização das organizações existentes, que se prepara, para o dia 18 de Janeiro de1934, uma "greve geral revolucionária" onde teriam influência marcante a Confederação Geral dos Trabalhadores, de inspiração anarquista, e o Partido Comunista Português, com forte implantação no Sindicato Nacional dos Vidreiros.





Na véspera, no entanto, a polícia política (PVDE) prende alguns dos principais dirigentes sindicais e outros activistas ligados ao movimento. Ainda assim, em Lisboa, na noite de 17, explode uma bomba no Poço do Bispo e o caminho de ferro é cortado em Xabregas, enquanto que, em Coimbra, explodem duas bombas na central eléctrica. Há ainda movimentações em diversos outros pontos do país, como Leiria, Barreiro, Almada, Sines e Silves, sendo a mais forte, no entanto, na Marinha Grande, onde grupos de operários ocupam o posto da GNR e os edifícios da Câmara Municipal e dos CTT.
A repressão não se faria esperar. Diversos participantes do 18 de Janeiro estão entre os prisioneiros que inaugurarão, dois anos depois, a colónia penal do Tarrafal, uma das odiosas prisões da ditadura salazarista.
A revolta operária e greve geral de 18 de Janeiro de 1934 foi há 76 anos. Evocá-la hoje, 36 anos depois de Abril, mais do que uma celebração, deve constituir uma inequívoca manifestação de vontade de continuar a lutar por um país mais justo onde todos, sem excepção, vejam reconhecidos não apenas os direitos cívicos e políticos mas também os direitos humanos e sociais. Será essa a melhor homenagem que prestaremos aos revolucionários de 1934.

Liberdade, À Queima-Roupa, Sérgio Godinho

Sem comentários:

Publicar um comentário